marco2018.gif
HOME | ESPORTE | TV | CULINÁRIA | EMPREGO | GALERIA DE FOTOS | NOTÍCIAS | VÍDEOS | CONTATO

CULINÁRIA
Temperar e curar: alho, alecrim e afins não dão só sabor à comida, reforçam também a saúde - 05/08/2018 às 19:04:49

Um punhado de alecrim na batata para facilitar a digestão, um dente de alho no refogado para dar um upgrade na imunidade ou sementes de cardamomo no café para neutralizar a acidez estomacal. Hábito comum no passado, considerado por alguns mera crendice popular, o uso de ervas e temperos para reforçar a saúde e remediar doenças vem sendo cada vez mais resgatado e respaldado pela ciência.

Médico de família, adepto da antroposofia há quase dez anos, Fabrício Dias é um defensor das práticas naturais. Ele explica que os micro-organismos que vivem no nosso intestino atuam em parceria com os alimentos que ingerimos. 

“São quase como um DNA dos nossos hábitos alimentares. Portanto, consumir produtos de pouco valor nutritivo pode levar à proliferação de bactérias causadores de doenças, assim como nos beneficiar dos pouco processados pode favorecer nosso tubo digestivo como um todo”, comenta. 

Consultor da Weleda – líder mundial de cosméticos e produtos farmacêuticos feitos com ingredientes naturais –, o profissional enumera alguns temperos considerados “milagrosos”, como tomilho, alecrim, sálvia, orégano, noz moscada, açafrão, coentro e cebola.

Benefícios

Farmacêutica, paisagista e especialista em plantas medicinais, Ana Cimbleris é outra estudiosa da cura que vem da natureza e pode ser explorada na cozinha. Segundo ela, ao contrário dos extratos usados em chás, que concentram grande quantidade de princípios ativos e, portanto, devem ser administrados com cautela, temperos usados na culinária fornecem benefícios independentemente da dose em que são consumidos. “Dificilmente conseguiríamos ingerir quantidade considerada tóxica”, coloca a fundadora da Vernalis Plantas.

A recomendação da profissional é para que sejam priorizadas ervas frescas às secas. “Não era para haver distinção. O que acontece, muitas vezes, é que o processo de secagem pode não ser feito de forma adequada a fim de que as propriedades medicinais sejam preservadas”, explica.

Outra dica é ficar de olho nos aromas exalados durante o preparo. “Se conseguimos conservar aroma e sabor originais significa que a química que promove benefícios está presente”, ensina, lembrando a fragilidade de algumas ervas, como o manjericão, que deve ser colocado no final do cozimento. 

Temperos que curam Renata Brasil

Renata Brasil transformou paixão por produtos naturais e ervas "milagrosas" em segunda profissão

Adepta

Apaixonada por cozinha e adepta de ervas e temperos naturais, a engenheira ambiental Renata Brasil, de 29 anos, decidiu transformar o estilo de vida “natureba” na segunda profissão. Estudante de nutrição, mais do que utilizar em casa, ela se dedica a estudar ervas e temperos com propriedades medicinais. 

“Acho superinteressante, por exemplo, que aos poucos vamos conseguindo eliminar a necessidade de adicionar sal e açúcar. Para quem está começando a mudar hábitos, indico páprica defumada, que conserva os flavonóides e engana o paladar, pois lembra o sabor do bacon”, comenta. 

Além disso:

Adaptogênicos. Assim foram denominados, na década de 1940, alimentos com capacidade para modular os genes e os sistemas do organismo por meio da presença e da combinação de certas substâncias. Definido por um médico e cientista soviético, o conceito ganhou força em 1998, quando a agência reguladora de medicamentos nos Estados Unidos reconheceu a definição como um termo funcional.

Estudos feitos em animais e células nervosas isoladas mostraram que os adaptogênicos teriam propriedades neuroprotetoras, antifadiga, antidepressivas e estimulantes do sistema nervoso central. Para ser incluído na categoria, no entanto, o alimento precisa atender aos seguintes requisitos: ser seguro para todos e ajudar o corpo a combater o estresse e a equilibrar os hormônios.

Conheça três importantes alimentos adaptogênicos e saiba como inclui-los na alimentação:

  • Maca: proteína completa, era reverenciada na cultura Inca pela capacidade de aumentar a força, a energia, a resistência e ainda o vigor sexual. Pode ser usada como um cereal, no café da manhã, por exemplo, misturada a frutas. Ajuda na regulação hormonal.
  • Spirulina: popular entre astecas e também no continente africano, é uma importante fonte de energia, ajudando na desintoxicação do organismo, na cura de infecções e alívio de cólicas menstruais. É recomendada para adeptos de dietas restritivas, devido ao alto teor de vitamina B12. Em pó, pode ser usada no preparo de sucos.
  • Clorella: alga verde muito popular no Japão, contém proteínas e aminoácidos, além de vitaminas do Complexo B e vitamina C e E. A ingestão traz benefícios para a imunidade e promove bom funcionamento cardiovascular. Pode ser consumida em sucos.

Anote no livro de receitas as principais propriedades de 10 temperos usados na cozinha:

Temperos que curam arte

 


dengue

xerox

dengue
marco2018
E-mail: contato@informeitabira.com.br



© Informe Itabira 2018. Todos os direitos reservados. Webmail